Samba de Gafieira

245391-o-que-saber-antes-de-praticar-samba-de-gafieira

O que saber antes de praticar samba de gafieira?

Quer conhecer um novo estilo de dança para praticar? Nossa dica é o samba de gafieira, uma dança de salão oriunda do maxixe que encanta os bailes por onde passa.

A dança, realizada em pares, exige agilidade e descontração e suas apresentações são um show à parte. Descubra tudo sobre o jeitinho malandro desse estilo e confira nossas dicas para começar agora mesmo.

A história do ritmo

O estilo foi criado no Rio de Janeiro no século XX e propagado por negros que migraram da Bahia. Oriundo do Maxixe e com forte origem africana, envolvente e sensual, o ritmo não era bem-visto na sociedade da época, acusado de ferir a moral e os bons costumes.

O samba de gafieira era dançado, costumeiramente, em cabarés, locais destinados a pessoas de classes mais baixas. Com o passar dos anos, ganhou popularidade e entrou para o rol de danças ensinadas dentro das academias.

As características do samba de gafieira

Esse estilo é conhecido principalmente pelo personagem do malandro, com seu característico terno branco, sapatos branco e preto e camisa vermelha e branca.

Ao longo dos anos, sofreu várias transformações e hoje é considerada uma dança elegante e técnica. Contudo, a malandragem, sensualidade e molejo nos quadris dos bailarinos ainda se mantêm como principal característica dessa dança

A coreografia acompanha a música em compasso binário e ritmo sincopado. A postura do dançarino é sempre de conduzir a dama, exibindo-a ao salão e, ao mesmo tempo, protegendo-a, para que outro homem não a tire para dançar.

O perfil dos dançarinos

Esse ritmo exige muita agilidade e concentração, diante da grande variedade de passos que devem ser executados sem parecerem um grande sacrifício. Apesar da dificuldade, os dançarinos do estilo devem ser alegres, desinibidos e apresentar sempre um sorriso no rosto e uma postura aberta.

Dicas para começar a dançar

Quer começar a praticar e se tornar um dançarino no estilo? Selecionamos algumas dicas para você se jogar nos salões, confira.

Faça um bom alongamento

Antes de começar a dançar, é sempre recomendado fazer uma avaliação física. Assim, você conhecerá os limites do seu corpo e conseguirá respeitá-los. Adicione também exercícios de alongamento e aquecimento à sua rotina antes da aula.

Escolha roupas adequadas

Tanto nas aulas quanto nas apresentações, a roupa deve ser sua aliada. Escolha tecidos leves e sintéticos que secam rapidamente e não grudam no corpo nem dificultam a execução dos movimentos.

Durante as aulas, os tênis e sapatos de dança são uma boa pedida por serem mais ergonômicos e confortáveis. Já para as apresentações, normalmente, são utilizadas as sandálias de salto fino que melhoram a estética da postura da bailarina.

Não fique tímido

Se jogue na experiência e não tenha medo de se soltar. Uma boa técnica para espantar a timidez é dançar só em casa, em frente ao espelho. Dessa forma, você vai conseguir perceber o funcionamento do seu corpo e se sentirá mais livre para experimentar.

O samba de gafieira é um estilo elegante e exige muita técnica, contudo, suas apresentações são um grande espetáculo e levam graça, charme e malandragem por onde passam. Esse ritmo, tipicamente brasileiro, é uma ótima opção para quem busca se arriscar em novas aulas de dança.

Já pensou encontrar o seu grande amor em uma pista de dança? Leia nosso post e conheça a história do casal que divide os palcos e a vida.

3 opções de dança para espantar a depressão

“Quem dança seus males espanta”, diz o ditado. Não duvide dele. Considerada o “mal do século XXI” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão já atinge 5,8% dos brasileiros. Esse índice coloca o Brasil em primeiro lugar no ranking de pessoas com o transtorno na América Latina.

Com a doença, o paciente perde o prazer de viver, sente-se cansado, ansioso e irritado ao realizar as atividades cotidianas. As causas são diversas e podem estar relacionadas ao histórico familiar, disfunções hormonais, traumas físicos e psicológicos ou sedentarismo.

Mas você sabia que, associada a medicamentos e terapias, a dança pode ajudar muito no tratamento deste transtorno? É o que afirma um estudo realizado pela Universidade Southwersten, do Texas (EUA). De acordo com a pesquisa, a prática de atividades aeróbicas – três vezes por semana com duração de 30 minutos, reduz quase pela metade os sintomas de uma depressão moderada. Por isso separamos abaixo três modalidades de dança que irão ajudar no combate à doença com mais leveza. Confira:

Zumba – Confiança em alta

SHAPE OF YOU – ZUMBA COREOGRAFIA

Autoestima é uma das primeiras coisas a irem embora quando a depressão chega. Com aumento de peso e insônia, a tendência é diminuir cada vez mais o cuidado com a aparência física. A zumba recupera grande parte da confiança perdida, pois modela o corpo, dá mais disposição e vai aos poucos devolvendo a autoestima.

Ballet – Foco na coreografia

O Lago dos Cisnes (Swan Lake) – Final

Concentrar-se em algo por muito ou pouco tempo torna-se um grande desafio para quem está depressivo. Com passos bem elaborados, o ballet estimula a concentração e o foco, já que é necessário memorizar e, em seguida, reproduzir os movimentos. Além disso, a própria música clássica (trilha sonora padrão da modalidade) ajuda a induzir um estado meditativo inconsciente, fazendo com que o pensamento não fuja do tempo presente. Ainda está em dúvida? Veja aqui sete motivos para eleger o ballet como sua atividade física favorita.

Dança de Salão – Contato e interação

Samba de Gafieira – Layssa & Arthur Liebscher

Praticada em pares, a Dança de Salão favorece o contato com outras pessoas. Isso pode diminuir os sentimentos de isolamento e fazer com que o portador de depressão interaja mais com o mundo a sua volta. A interação provoca o aumento da quantidade de betaendorfina (substância produzida pelo cérebro que se transforma em endorfina). Com isso, eleva-se a sensação de prazer, felicidade e satisfação. Clique aqui e confira os 5 estilos de dança de salão super descolados e diferentes para você conhecer e aproveitar a dois.

Não é fácil encarar a depressão e lutar pela própria recuperação, mas a dança pode ajudar – e muito – nessa tarefa. Por isso, use e abuse desta terapia que cuida do corpo e da alma com muita saúde e diversão. Se preferir, antes de se matricular em uma academia ou estúdio de dança, conheça melhor os estilos sem sair do seu smartphone clicando aqui.