Joinville

Fique por dentro do que fazer enquanto estiver em Joinville

Se você é um apaixonado por dança, certamente vai querer frequentar o Festival de Dança de Joinville, certo? Um dos maiores eventos do segmento e que é conhecido no mundo todo. Mas, enquanto ele não começa, o que fazer enquanto estiver em Joinville? Quais os pontos turísticos e de entretenimento que essa cidade do sul do país oferece?

A cidade é a maior do Estado de Santa Catarina e tem mais de 570 mil habitantes, segundo dados do IBGE de 2017. Além de várias atrações turísticas, o município conta com uma escola do Ballet Bolshoi, a única fora da Rússia. Quer saber o que você pode fazer nessa cidade enquanto espera o festival? Acompanhe!

Escola Bolshoi

O Ballet Bolshoi é a instituição de dança mais famosa do mundo. Com sede na Rússia, conta com sua única unidade fora do país na cidade de Joinville desde o ano 2000.

Você pode fazer uma visita na escola e conhecer os grandes potenciais do ballet, que passam por um teste rigoroso antes de serem aceitos como alunos da escola. É um passeio que vale muito a pena para os apaixonados por ballet e também pelo Bolshoi.

Serviço: Escola Bolshoi.
Visitas monitoradas: de segunda a sexta, às 10h e às 14h30.
Valor: R$10 (inteira) e R$5 (meia entrada).
Endereço: Avenida José Vieira, 315.
Outras informações: http://www.escolabolshoi.com.br

Passeio com o barco Príncipe

O passeio é um clássico imperdível para os turistas da cidade. O barco Príncipe leva de Joinville até São Francisco do Sul, uma cidade história muito charmosa. O barco tem capacidade para 350 pessoas e oferece restaurante, bar, show a bordo e até piscina.

Ele passa por 14 ilhas até chegar ao destino final, onde os visitantes têm 1h30 para conhecer a cidade. O passeio dura um dia inteiro e é uma das grandes atrações da cidade.

Serviço: Embarque diário às 9h30 no píer no bairro Espinheiros.
Telefone para reservas: (47) 3455-4444 e (47) 3455-0824.

Museu da Imigração e Colonização e rua das Palmeiras

Em um casarão de 1870 está o Museu da Imigração, um lugar destinado a armazenar documentos, fotos e objetos relacionados à imigração e colonização da região sul do Brasil. Uma grande aula de história não só para os sulistas, mas para todos que gostam de saber mais sobre a história do país.

Em frente ao museu fica a rua das Palmeiras, que fazia parte do casarão. Repleta de palmeiras, a rua é muito bonita e serve de cenário para várias fotografias de moradores da cidade e, principalmente, dos turistas.

Serviço: Museu Nacional da Imigração.
Endereço: Rua Rio Branco, 229 – Centro.
Horário de funcionamento: das 10h às 16h.
Entrada gratuita
Telefone para contato: (47) 3433-3736.

Cafés e gastronomia

Joinville é conhecida por ser uma cidade repleta de cafés que vendem tortas e bolos deliciosos. São confeitarias, lojas de conveniência, padarias e lojas de empanadas espalhadas por toda a cidade que deixam aquela hora do cafezinho muito mais gostosa. Vale a pena dar uma volta pelo centro, sentar em um desses cafés e aproveitar a gastronomia.

Se você não sabe o que fazer enquanto estiver em Joinville, aproveite estas dicas de hoje e comece a montar o seu roteiro. Quem sabe você não chega alguns dias antes do festival para ver tudo o que essa cidade tem a oferecer? Vale a pena!

Gostou das nossas dicas de Joinville? Confira mais artigos como este em primeira mão ao assinar nossa newsletter!

Lançamento Completo no Festival de Dança de Joinville
Lançamento Completo no Festival de Dança de Joinville
161787-conheca-agora-o-festival-de-danca-de-joinville

Conheça agora o Festival de Dança de Joinville

O Festival de Dança de Joinville é um dos mais tradicionais do Brasil e é conhecido no mundo todo, não só pelas apresentações de companhias renomadas, mas também pela qualidade dos cursos, workshops, oficinas de dança e debates que levam a compreender melhor a importância desse tipo de arte para a sociedade.

Considerado o maior do Brasil, o festival também entrou no Guiness Book como o maior do mundo em termos de quantidade de pessoas, contando com mais de 4.500 bailarinos e 7 mil participantes. Hoje, você vai saber mais sobre esse evento incrível que promove a arte para o mundo. Confira!

A história do festival

O Festival de Joinville surgiu em 1983 e aconteceu no prédio da Sociedade Harmonia Lyra. Já em seu primeiro ano, o evento dava indícios de que seria um sucesso: foram 40 grupos de dança inscritos, com 600 dançarinos que se dividiram em 5 dias de apresentação.

1991 – o evento começa a crescer

Em 1991, Ana Botafogo e a equipe do Theatro do Rio de Janeiro abriram o espetáculo, que recebeu também grupos internacionais em um ginásio reformado e com capacidade para 2 mil pessoas. Desde então, o festival só cresceu e recebeu importantes companhias e nomes da dança mundiais, como o Ballet Bolshoi, Mikhail Baryshnikov, entre outros.

1992 – Recorde de público

No ano em que completou uma década de apresentação, o festival comemorou também o maior público de todos os tempos: foram 100 mil pessoas que prestigiaram o evento. A atração principal ficou por conta de 24 grupos de dança que se destacaram nas apresentações durante esses 10 anos.

2002 – 20 anos de comemoração

Débora Colker, nome importante da dança que fundiu a modalidade e as artes plásticas, levou sua companhia de dança para abrir o evento. Foram mais de 200 grupos vindos de 14 estados e também do Paraguai para a apresentação.

2003 – eventos especiais

Neste ano, o Festival de Joinville foi marcado por outros acontecimentos especiais: exposição de artes, desfile de moda e exposição de figurinos completaram o sucesso do evento.

2005 – o festival entra para a história mundial

Em 2005, foi concedida ao evento a entrada no Guiness Book como o maior festival de dança do mundo. Hoje, conta com uma média de 6 mil participantes diretos e um público de 200 mil pessoas em 170 horas de espetáculos. Foi também em 2005 que a atração se estendeu por 10 dias, contou com 4.500 dançarinos do mundo todo, 140 grupos de dança profissionais e amadores e um público de 200 mil pessoas.

2012 – calçada da fama

Ao completar 30 anos, o festival inaugura a calçada da fama, espaço para homenagear os grupos e escolas que mais se apresentaram e contribuíram para o sucesso do evento. Ana Botafogo abriu os festejos, onde também foi lançado um livro histórico que conta a história do festival durante as 3 décadas.

2017 – 35 anos de festival

No ano de comemoração, o coreógrafo Marcelo Misailidis criou um espetáculo especial. O evento também recebeu a companhia de Deborah Colker com o espetáculo “Cão sem Plumas”. Nesse ano, a novidade ficou por conta do passaporte cultural, que mostrava os pontos turísticos da cidade.

Mais sobre o Festival de Dança de Joinville

Não é só para assistir às apresentações que o público frequenta esse grande evento. Desde que foi criado, os cursos, oficinas e palestras ficam lotados e é possível assistir aulas de ballet, saber mais sobre a história da dança e ainda aprimorar os conhecimentos na teoria e na prática.

O Festival de Dança de Joinville é um patrimônio de orgulho nacional e que merece ser frequentado tanto por quem ama a dança em suas diversas vertentes, quanto para quem pretende se tornar ou já é um profissional.

E então, quer ficar por dentro sobre tudo do mundo do ballet? Siga-nos no Facebook, Twitter, LinkedIn e Youtube para saber de todas as novidades!

 

 

 

Sapatilha de Ponta Pirouette
Confira!