sapatilha de ponta

Como escolher a sapatilha de ponta perfeita?

Conseguir fazer um bom trabalho de pontas é lindo e muito gratificante, mas para chegar lá, é preciso escolher a sapatilha certa para seus pés e, muitas vezes, isso não é uma tarefa fácil. Infelizmente, muitas bailarinas perdem um bom tempo com os modelos errados, o que influencia muito na forma como trabalhamos nossos pés e no resultado.

Por isso, nest post, ajudaremos você com algumas dicas para saber qual é a melhor sapatilha de ponta para iniciantes nessa etapa do ballet. E assim fazer com que você consiga escolher o seu primeiro modelo, minimizando a chance de erros na hora da escolha. Confira!

Conheça as características dos seus pés

Os pés são a base e a estrutura do nosso corpo, e quando se trata de ballet devemos redobrar essa sua função. Portanto, o segredo número um é conhecer bem a sua anatomia e as características. Muitos fatores influenciam na hora de comprar a sua primeira sapatilha de ponta, como:

  • o comprimento  dos dedos;
  • a largura do pés;
  • o tipo de colo de pé;
  • o tipo de a pisada;
  • se o pé é chato;
  • a força da bailarina;
  • o objetivo para que será usada a sapatilha.

Não existe uma sapatilha que seja perfeita para qualquer tipo de pé, e por isso, é importante se conhecer bem antes de fazer sua escolha. Prepare-se para mergulhar no universo dos pés, e entenda cada cantinho deles antes de adquirir a sua primeira sapatilha de ponta. Veja abaixo algumas características que farão toda diferença nesse momento.

Formato dos pés

A primeira característica a se observar nos pés antes de comprar a sua primeira sapatilhas de pontas é o formato dos pés, que deve considerar, também, o tamanho dos dedos. De maneira geral, há três tipos:

  • pé grego: tem o segundo dedo maior que os demais;
  • pé egípcio: dedão é maior e segue em escadinha até o mindinho;
  • pé quadrado: tem os três dedos do mesmo tamanho, geralmente dedão, segundo e terceiro dedos.

Cada um desses tipos pode ser largo ou estreito. Além disso, com relação a planta dos pés (ou pisada), os pés podem ser:

  • chato: pouco colo de pé;
  • normal: colo do pé normal;
  • cavo: muito colo de pé.

Força dos pés

A força dos seus pés influencia muito na escolha de qual a melhor sapatilha de ponta para inciantes. Nem sempre ela está ligada à experiência, afinal, algumas pessoas já têm essa parte do corpo mais resistente mesmo sem ter feito um trabalho de pontas extensivo.

Por isso, caso você ainda não conheça bem a força dos seus pés, busque experimentar três modelos diferentes — um para iniciantes, um mediano e um mais reforçado — e veja na loja como eles se encaixam.

Calce todas e observe como o arco é formado na palmilha. Ele não deve ser muito forte, já que temos que levar em consideração que a sapatilha “quebrará” com o tempo, se moldando aos seus pés. Ou seja, se você já conseguir formar um arco perfeito logo de cara, significa que essa sapatilha é muito fraca e, provavelmente, será preciso utilizar uma mais reforçada. Portanto, faça o teste e encontre a melhor opção.

Largura dos pés

A largura dos pés é outra característica de atenção na hora de escolher a sua primeira sapatilha de ponta. Afinal, um modelo de box mais larga que os seus pés não dará a firmeza necessária para realizar os movimentos. E o contrário também pode atrapalhar, causando dores insuportáveis na hora de fazer a ponta.

Nesse momento, vale a técnica do teste também. Portanto, procure calçar os dois tipos de sapatilhas e verifique qual fica mais confortável para o formato dos seus pés.

Colo do pé

Há quem relacione o colo do pé com força, contudo, não necessariamente quem tem essa parte dos pés protuberante terá mais força na hora de realizar o movimento. Por isso, na hora de escolher sua sapatilha, esses elementos devem ser analisados separadamente.

O colo do pé influencia no tipo de decote da sua sapatilha. Para quem tem muito, os modelos com decote alto são a melhor opção, já que essa característica ajuda a conter os pés para que seu corpo não saia do eixo. Já quem tem pouco deve optar por um decote baixo, permitindo que essa parte seja mais exposta e tenha mais liberdade para se desenvolver.

Compre pessoalmente a sua primeira sapatilha de ponta

Após tantos anos de ballet, é chago o grande momento de comer os trabalhos de ponta. Depois de anos de aulas e dedicação, agora, você passará a se profissionalizar, e um passo tão importante como esse merece uma atenção especial, não é mesmo? No entanto, como você ainda não iniciou nas pontas, nossa recomendação é que o modelo seja escolhido pessoalmente.

Para quem já tem anos de ballet, fez experimentações e conhece bem os pés e as marcas de qualidade não há nenhum problema em adquirir em lojas virtuais. Contudo, para a primeira sapatilha de ponta é melhor prová-la, até mesmo porque não é um item barato e, caso você não acerte de primeira, pode ser necessário comprar outra.

Peça orientação do seu professor

Além de conhecer o tipo de ballet treinado, ele também reconhece as suas características como bailarina, e por isso, pode ser a pessoa ideal para dar dicas sobre quais as características que a sua primeira sapatilha de ponta deve ter.

É o seu mentor quem dará as aulas e irá prepará-la para fazer lindos arabesques. E tipo, objetivo e método das aulas podem influenciar significativamente na escolha das sapatilhas. Afinal, há professores que usam técnicas mais dinâmicas e fortes, enquanto também existem aqueles que ensinam de maneira mais gradual.

Dessa forma, o modelo pode depender de como o seu corpo está formado, seu preparo físico, entre outras características que apenas o seu professor pode identificar.

A escolha inadequada pode prejudicar o seu desempenho e ocasionar em lesões graves — como danos nos músculos e nas articulações. Além disso, um modelo mal escolhido pode levar à sobrecarga nos joelhos, quadris e colunas. Por isso, pense bem na hora de escolher qual a melhor sapatilha de ponta para iniciantes e fique atenta a qualquer sinal de dores nessas regiões.

Agora que você já sabe escolher as sapatilhas ideais para os seus pés, não deixe de conferir os nossos modelos em nossa loja virtual.

7 dicas para iniciantes começarem com sua sapatilha de ponta

O sonho de toda bailarina clássica é usar a sapatilha de ponta nas aulas de ballet. Quando o professor autorizar esse passo, é porque você já está apta a alçar voos mais altos.

Antes de começar a explorar todas as possibilidades do acessório, é bom saber o jeito certo de preparar a sapatilha antes da primeira dança. Acompanhe o nosso artigo e veja nossas 7 dicas de como fazer bom uso de sua sapatilha de ponta.

  1. Compre a primeira sapatilha presencialmente

Não deixe de comprar a sua sapatilha pessoalmente. Alguns modelos podem variar de numeração e é preciso certificar-se de que o modelo se fixou corretamente no seu pé.

Se você tiver uma amiga mais experiente que já passou por isso, chame-a para lhe acompanhar. Dê preferência a modelos de qualidade e desconfie das ofertas muito tentadoras. A sapatilha deve durar muito tempo, por isso, não é hora de economizar.

  1. Experimente a sapatilha antes de colocar elásticos e fitas

Antes de mais nada, é preciso costurar o elástico e as fitas na sapatilha. Existe um lugar ideal para que a sapatilha se ajuste anatomicamente aos seus pés.

Marque com um lápis antes de costurar e, após fixar o elástico e as fitas, vista a sapatilha para ver se está tudo no lugar. Corte o excesso para não ter risco de tropeçar.

Um truque para que as amarrações não desfiem é passar esmalte incolor em suas extremidades.

  1. Amoleça a ponta

A ponta da sapatilha, conhecida como box, é composta por junta e cola. Esta parte precisa ser amolecida para se adaptar exatamente ao formato do seu pé. Há algumas formas de fazer isso sem prejudicar o calçado.

  1. Curve a sapatilha com delicadeza

Em seguida, é preciso dobrar a sola na região entre calcanhar e o meio da sapatilha. Muita gente acha que os pés dobram no meio, mas se enganam, e se deixarmos dobrar com a curvatura dos pés ela ficará mole rapidamente.

Primeiro, vista a sapatilha e marque o lugar onde ela deve ser dobrada — é bem embaixo do seu calcanhar. Faça movimentos de flexão para frente e para trás, sempre leves e com delicadeza.

  1. Faça os ajustes finais

Vista a sapatilha e veja se há folga de ar nas laterais. Caso perceba algum desconforto, é preciso diminuir, apertando o elástico.

Faça o test drive, calçando a sapatilha com as fitas e andando em meia ponta por um tempo — o suficiente para perceber se o calçado se ajustou corretamente aos seus pés.

  1. Foque na flexibilidade e no conforto

As sapatilhas devem estar flexíveis e confortáveis. Caso não estejam, repita o procedimento até que se sinta à vontade com elas.

Para finalizar, marque os pés esquerdo e direito, para não ter confusão na hora de colocar e prejudicar seu desempenho.

  1. Observe a dinâmica dos machucados

Mesmo utilizando a sapatilha ideal e do jeito certo, eventualmente, podem aparecer ainda assim bolhas e machucados. Decorrentes da repetição dos exercícios ou mesmo do ajuste dos pés ao novo acessório, as lesões podem ser evitadas com alguns simples cuidados. O uso de ponteiras de silicone ameniza a tensão na ponta dos dedos, protegendo também as unhas. Esparadrapos são muito bem-vindos, principalmente onde há contato da pele com o tecido.

Boa sorte nesta nova etapa e não se esqueça de consultar sempre o (a) seu(a) professor(a) sobre o uso da sapatilha de ponta! Quer saber mais sobre ballet? Assine nossa newsletter  e receba super dicas no seu e-mail.

Como escolher sapatilhas de bailarina?

Saber escolher sapatilhas de ballet é fundamental para evitar dores e lesões e melhorar ,  o desempenho da bailarina nos exercícios. Na verdade, não existem muitos segredos, mas, por se tratar de um tipo de calçado especial, é preciso entender os termos, as diferenças de modelos e os tipos de uso das sapatilhas de bailarina.

Para ajudar quem está com dúvidas, vamos listar as melhores práticas e os pontos essenciais para escolher sapatilhas de bailarina. Antes de falar dos modelos, é interessante passar pelas nomenclaturas, uma vez que algumas são exclusivas das sapatilhas e não são comuns em outros tipos de calçados.

Box

Envolve os dedos e seu objetivo é distribuir o peso da bailarina uniformemente, dando equilíbrio quando estiver utilizando a plataforma. Se não houver esse equilíbrio, os pés podem afundar (pressão insuficiente) ou serem empurrados contra a plataforma (pressão demais). Nessas duas situações, a bailarina pode até sentir dores.

Gáspea

O comprimento dos dedos até o metatarso determina o comprimento da gáspea. Não pode haver folgas, para não dificultar a bailarina subir em cima das pontas; e nem ser curta demais, pois jogará a bailarina para frente, dificultando seu equilíbrio e podendo causar lesões. Uma dica para o tamanho da gáspea é aquela que vai da ponta dos dedos até 1 cm em cima do metatarso.

Pés de bailarina

A última etapa e o que fará com que a praticante de ballet escolha o melhor modelo é o formato de seus pés. Existem pés de três tipos: egípcios, quadrados e gregos, e, de acordo com o seu tipo de pé, você escolherá a melhor plataforma e demais itens de suas sapatilhas, de modo que fique mais confortável e possa fazer os exercícios com maior leveza.

veja 7 dicas incríveis para manter seus pés bem cuidados

 

Os tipos de sapatilha de bailarina

Sapatilhas de meia ponta

Esse tipo de sapatilha é indicado para quem está começando a fazer ballet. Os modelos são mais flexíveis, ideais para quem ainda é iniciante e realiza apenas os exercícios mais básicos ou de introdução ao ballet.

Sapatilhas de ponta

Ao evoluir no ballet e adquirir certa experiência e musculatura adequada, a bailarina estará apta a utilizar as sapatilhas de ponta. Não existe uma idade certa para iniciar o seu uso (o que, por vezes, gera polêmica), e normalmente quem toma a decisão é o(a) professor(a). Esse modelo conta com um Box plana e um reforço extra na palmilha que permite colocar-se em pontas.

Como escolher suas sapatilhas de bailarina

Os fabricantes de sapatilhas entendem bem as diferenças que podem existir nos pés das bailarinas e o que é preciso para acomodá-los corretamente. Tecidos e materiais de fabricação podem ser uma escolha de quem for praticar o ballet, mas o que importa realmente é se sentir confortável durante os exercícios. É preciso que a bailarina sinta o chão normalmente, que seu pé fique acomodado na caixa, que tenha equilíbrio na plataforma, que consiga permanecer nas pontas e, principalmente, que não sinta dores.

É bom lembrar que existem questões pessoais, como a utilização de protetores, separadores de dedos ou enchimentos. Porém, só inclua esses itens se realmente acreditar que vão fazer diferença no seu desempenho, além de manter seus pés firmes e sem risco de lesões.

A escolha das sapatilhas corretas evita os riscos de bolhas e calos. Além disso, ao conseguir o encaixe perfeito com os seus pés, aumenta sua sensibilidade e você consegue praticar o ballet com eficiência.

Caso tenha dúvidas ou dicas sobre como escolher sapatilhas de bailarina, deixe seu comentário e continue acompanhando o nosso blog!