Collant

Assim como a sapatilha, o collant é um verdadeiro ícone no mundo da dança e do ballet, de modo geral. Criado para se adaptar às curvas e movimentos do corpo, pode ser encontrado em diferentes modelos, tecidos e recortes. E é justamente essa diversidade que muitas vezes confunde quem está em busca do ideal para sua modalidade. Conforto e, é claro, design são indispensáveis. Mas é preciso sim se atentar a alguns detalhes antes de escolher a peça. Por isso, entenda o que deve ser levado em consideração na hora de optar por um ou outro modelo:

Modalidade de dança

Talvez uma das perguntas mais importantes a se fazer antes de escolher um collant seja: “para qual atividade ele será usado?”. Isso porque, dependendo do exercício ou estilo de dança, detalhes como botões, rendas, zíperes e fivelas podem prejudicar a prática. Enquanto no ballet clássico a bailarina pode investir nesses “enfeites”, no contemporâneo eles podem dificultar e até machucar as dançarinas.  Neste caso, o ideal é que seja liso e, se tiver manga longa, melhor ainda. Devido à informalidade e liberdade do contemporâneo, os bailarinos se arrastam pelo chão, então é necessário que o corpo deslize. Por isso não é interessante que algumas partes do corpo fiquem expostas, pois elas grudam no linóleo. Quer saber mais sobre as diferenças entre ballet clássico e contemporâneo? Clique e veja.

Estação do ano

É importante também que o collant acompanhe a época do ano e o clima. Em dias mais frios, por exemplo, manga longa, veludo e gola alta são ótimos para proteger das baixas temperaturas. Já no verão são indicados tecidos mais frescos, cavados e que possuam uma tecnologia para não encharcar com o suor. O importante é que a pele respire sem dificuldade. Para dicas de look de inverno, clique e saiba mais.

Silhueta da bailarina

Alguns recortes, apetrechos e decotes podem modificar a forma como enxergamos o corpo da bailarina. No caso, dançarinas com mais busto, por exemplo, costumam optar por peças que garantem mais sustentação. Assim, alças largas podem oferecer a segurança necessária.

Para quem gosta de valorizar pescoço e ombros, o decote canoa é ideal, pois ressalta essas características. Já o decote em V, alonga mais a silhueta e o pescoço, dando a impressão de um corpo mais esguio.  O decote em U é uma opção mais democrática e confortável. Ele garante mais sustentação principalmente para quem tem o busto mais avantajado. Já o decote em U profundo dá mais charme para as bailarinas que possuem seios menores. Outra opção para destacar a região dos seios é o collant com gola alta.

Cores que fazem a diferença

Brincar com as cores também pode ser uma ótima pedida. Nesse caso, os tecidos levemente brilhosos são muito charmosos. Em contrapartida, não são muito indicados para disfarçar as gordurinhas a mais. Por outro lado, as cores mais escuras, como já se sabe, disfarçam um pouco mais.

Outras considerações

Há escolas e companhias que já possuem modelos pré-estabelecidos para a prática das aulas e ensaios. Nesse caso, todos devem se vestir igualmente ou com uniformes. Mas quando houver espaço para analisar mais opções, as dicas acima podem ajudar muito e garantir mais conforto e performance.

Mesmo assim, é sempre importante checar se existem opções no seu guarda-roupas para combinar com a nova peça. Sainhas, meias-calças e/ou shortinhos são peças que podem ser usadas em conjunto com o collant. Portanto, é necessário se certificar de que estarão combinando. Mas a melhor dica é checar se a peça possui o conforto necessário e se está de acordo com sua personalidade.

Mostrando 1–16 de 68 resultados

Mostrando 1–16 de 68 resultados